Arquivos do Blog

No Brasil, agricultura familiar representa 77% dos empregos no setor agrícola

Relatório lançado no dia 26 de setembro de 2013 afirmou que a agricultura familiar é uma das principais atividades geradoras de novas fontes de trabalho na América Latina e Caribe. Na América do Sul, a participação da atividade nos empregos agrícolas é significativa, oscilando nos países analisados entre 53% (Argentina) e 77% (Brasil).

Os dados são do resumo executivo do relatório “Perspectivas da Agricultura e do Desenvolvimento Rural nas Américas 2014: uma visão para a América Latina e Caribe”. O documento foi lançado durante o Encontro de Ministros da Agricultura das Américas em Buenos Aires, Argentina, e produzido pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

Na América Central, a agricultura familiar representa mais de 50% dos empregos no setor agrícola em todos os países, com exceção da Costa Rica (36%). No Panamá representa 71% e em Honduras 77%.

Depois de crescer por dois anos consecutivos (2010-2011), o valor das exportações agrícolas na América Latina e Caribe diminuiu 1,8% em 2012, mas as importações continuaram na tendência crescente mostrada a partir de 2009, com 10% de crescimento no ano passado. A queda do valor em 2012 foi explicada pela redução em 20% das exportações de café — principalmente Brasil e Colômbia — e de oleaginosas, que produzem óleos e gorduras — com queda na Argentina e Paraguai.

De acordo com a secretária executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, apesar da desaceleração agrícola da região em 2013, em 2014 se esperam condições econômicas que possam promover o crescimento econômico e agrícola regional.

“Essas tendências deverão ser sustentadas por políticas voltadas não só para melhorar o desempenho da agricultura comercial, mas também aumentar a inclusão exitosa da agricultura familiar nas cadeias de valor”, disse Bárcena.

A partir de 2014, a produção e as exportações agrícolas na região receberão o impulso da recuperação da demanda global, que por sua vez será incentivada pelo crescimento dos países em desenvolvimento e expansão de sua classe média, sempre e quando não existam os efeitos adversos de condições meteorológicas extremas ou por um dólar mais fraco.

A CEPAL, a FAO e o IICA estimam que na próxima década os preços agrícolas vão cair em termos reais, de modo que devem ser tomadas medidas para aumentar o investimento, a produtividade e a eficiência da agricultura. Dessa forma, o setor pode conseguir enfrentar da melhor maneira os riscos climáticos e econômicos que têm efeitos mais duradouros sobre os preços.

Sobre o Brasil, o documento também observou aumento nas exportações de milho em 2012 — 20 milhões de toneladas, quase o dobro em comparação a 2011. A Argentina exportou pouco mais de 16 milhões no mesmo período, e pela primeira vez foi superada pelo Brasil no envio desse produto.

De acordo com o relatório, o Brasil se manteve como principal exportador de carne de ave na América Latina e Caribe em 2012, ao gerar quase 89% das transações, e é previsto que em 2021 aumente seu domínio para quase 92%. O país também lidera as exportações de carne de porco e bovina — 71,6% e 51,7%, respectivamente.

FONTE: agrosoft Brasil

Seguridad alimentaria, por las nubes

Gloria Morán

En El Salvador aun no se aprueba una Ley que garantice la seguridad alimentaria

SAN SALVADOR – El reciente informe “Panorama de la seguridad alimentaria y nutricional en América Latina y el Caribe 2011”, presentado por la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura (FAO), asegura que los precios de los alimentos se encuentran en un nivel más alto que el histórico y esto pone en riesgo los avances en la erradicación del hambre y de la desnutrición infantil en la región.

La volatilidad y el alza de los precios en los alimentos afectan a alrededor de 52,5 millones de personas que sufren hambre, el 9 por ciento de la población total de América Latina y el Caribe.

La FAO advierte que dicha situación representa una mayor volatilidad que la registrada en los últimos 30 años, y de un incremento del 40 por ciento en  los últimos cuatro años de los precios de los alimentos.

Sin embargo la FAO divisa  que con la elevación de los precios básicos agrícolas se presenta una oportunidad real de dinamización del comercio intrarregional de alimentos y particularmente de los bienes no transables como el frijol, maíz blanco, entre otros productos.

Según el informe a partir de junio de 2010 los precios de los alimentos volvieron a elevarse, y en agosto de 2011 se produjo un nuevo incremento de precios alimenticios que representó un 130 por ciento más que el promedio de los precios en el período 2000-2005. El alza es, incluso, 3,1 por ciento mayor que el punto máximo que alcanzaron los precios en junio de 2008, en plena crisis financiera y económica.

“El alza de los precios internacionales de los alimentos y una mayor inflación general en la región conlleva riesgos de aumentar la pobreza y reducir el acceso a los alimentos por parte de la población pobre”, detalla el informe.

Una de las mayores preocupaciones de la FAO es que en la región se han encarecidos los precios de los cereales, los cuales subieron en un 36 por ciento en agosto de 2011, comparados al mismo mes en 2010.

“Estos alimentos son la principal fuente de calorías para los habitantes de la región y del mundo, y dos de los más importantes: el trigo y el maíz, aumentaron sus precios en 62 y 104 por ciento, respectivamente, solamente en el transcurso del último año”, asegura la FAO.

La situación en El Salvador

En El Salvador, según  la Fundación Salvadoreña para El Desarrollo Económico y Social (Fusades), hasta febrero de 2011 la canasta básica urbana aumentó 10,3 por ciento, mientras que la rural incrementó 18,9 por ciento. Reduciendo así las probabilidades de adquisición alimentaria y subiendo las posibilidades de mal nutrición, sobre todo en niños.

En los últimos meses entre los productos que han aumentado notablemente en lo que va del año están combustible, gas propano y granos básicos como el frijol y el maíz. Para los salvadoreños esos dos últimos ingredientes casi nunca faltan en la cocina. A eso se suma el reciente incremento a la energía eléctrica.

El Centro para la Defensa del Consumidor (CDC) aseguró que al final del 2010 la libra de frijol alcanzó un aumento del 140 por ciento en comparación a lo que se pagaba en enero de ese año, con un incremento de 0.45 centavos de dólar por libra.

En la actualidad los precios no han variado, la libra de ese grano cuesta alrededor de un dólar 25 centavos o más, varía de acuerdo al lugar de venta.

Según el CDC, la falta de abastecimiento de granos básicos a nivel nacional se debe a la crisis alimentaria a nivel mundial, razón que hace que se necesite importar los productos.

“En un país como El Salvador, que depende en gran medida de importación para suplir la demanda nacional de alimentos, la crisis mundial va a repercutir en un aumento en los precios”, dijo Ileana Álvarez de la CDC.

Y no solo las crisis mundiales repercuten, sino también las afectaciones climáticas, por ejemplo las últimas lluvias que han caído en el país han afectado los sembradíos de frijol y maíz. Se especula que las perdidas en las cosechas de cereales son más de 197 millones de dólares alrededor

Esto afecta tanto a la exportación  del producto como a la provisión interna. En la actualidad El Salador importa el 30 por ciento de frijol; el 70 por ciento de arroz; 40 por ciento de maíz y el 25 por ciento de maicillo.

Mujeres rurales exigen seguridad alimentaria

La semana recién pasada, decenas de mujeres de la zona rural de El Salvador protagonizaron una marcha en las que su principal objetivo era hacer notar que ellas y el país entero necesita la aprobación de una ley que garantice la seguridad alimentaria y que ésta conlleve un enfoque de género.

Además exigían que el país invierta de forma notoria en la producción agrícola.

Pedían a voces que dentro de la Asamblea Legislativa se revise la Política Nacional de Seguridad Alimentaria y Nutricional (SAN), la cual fue oficializada en mayo de este año por el presidente salvadoreño, Mauricio Funes.

Desde entonces, Carolina Alfaro quien participo en la marcha asegura que están esperando la creación de una Ley que ayude al cumplimento de la erradicación de la desnutrición y pobreza de algunos municipios del país.

Con la instauración de la política se pretende asegurar a más de 325 mil familias el acercamiento de servicios básicos, orientación sobre alimentación sana e incentivarlos a cultivar sus propios alimentos. Esto, conforme al concepto de seguridad alimentaria que dicta la Organización de FAO.

Representantes de la CCR de Chalatenango junto al procurador adjunto de la Procuraduría para la Defensa de los Derechos Humanos (PDDH), Salvador Menéndez Leal, entregaron la Comisión de Economía y Agricultura de la Asamblea Legislativa un documento que contenía las demandas de las mujeres rurales.

Entre las demandas están: la revisión de la actual política de Seguridad Alimentaria, la creación de la Ley de Seguridad Alimentaria con equidad de género, sobre todo en un país donde más del 52 por ciento de su población es femenina.

Las mujeres de la zona rural demandan una igualdad en el salario que reciben, que no se les excluya del sector laboral agrícola, el acceso a tierra y propiedad.

Menéndez aseguró que las propuestas son acordes a las necesidades existentes en la población rural y sobre todo por las circunstancias que las mujeres de esas zonas viven.

Asimismo dijo que es necesario que dentro de la Asamblea Legislativa se promueva la creación de dicha ley, porque es necesario garantizar la seguridad alimentaria de la población, sobre todo de las zonas que sufren exclusión social.

FONTE: http://bit.ly/pDBFVE

Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e Caribe 2011

Preços altos e voláteis dos alimentos podem aumentar a pobreza e reduzir seu acesso

MENSAGENS PRINCIPAIS

  • Os preços dos alimentos encontram-se em um novo nível, mais alto que o histórico, e apresentam uma maior volatilidade que a registrada nos últimos 30 anos.
  • O novo nível de preços dos alimentos e a persistência da volatilidade colocam em risco os avanços na erradicação da fome e da desnutrição infantil na região.
  • Os altos preços dos alimentos também representam uma oportunidade de maior renda para a agricultura familiar. Para isso são necessárias políticas que aumentem sua produtividade e melhorem suas condições de inserção nos mercados de produtos, insumos e financiamento.
  • Os elevados preços dos produtos agrícolas constituem uma oportunidade real de dinamização do comércio intrarregional de alimentos e particularmente dos bens não transáveis (feijão, milho branco, quinoa, etc.)
  • O aumento dos preços internacionais dos alimentos e uma maior inflação geral na região significam riscos de aumentar a pobreza e reduzir o acesso aos alimentos por parte da população pobre.
  • O aumento dos preços internacionais tem diferentes efeitos entre as sub-regiões e países: para alguns significa um aumento importante da conta pagada por alimentos que importam, para outros é uma oportunidade para expandir suas exportações.
  • A região, considerada como bloco, não tem problemas de disponibilidade de alimentos, e os prognósticos para 2011 são, em geral, favoráveis, com exceção dos cereais, onde se espera uma leve queda.
  • A modificação dos preços relativos entre matérias-primas e bens industriais, a favor das primeiras, representa uma oportunidade para incentivar o investimento e a produção agro-alimentar.
  • Nos últimos anos a segurança alimentar posicionou-se como uma prioridade na agenda política, tanto a nível global, como na América Latina e o Caribe.
  • A crise dos últimos anos tem provocado uma revisão dos aspectos mais permanentes ou estruturais da sociedade, aqueles que têm impedido que as importantes taxas de crescimento da região se traduzam em bem-estar para a maioria da população. Apresenta-se a oportunidade de colocar em marcha políticas produtivas e redistributivas de longo prazo, com as quais abordar estruturalmente o objetivo de fortalecer a segurança alimentar na região.
  • Uma agenda de políticas públicas para enfrentar os principais desafios da região, deve incluir: um papel político mais ativo da região nos mecanismos de governança da segurança alimentar e nutricional a escala mundial; políticas de longo prazo para abordar estruturalmente a transformação dos padrões de produção e consumo, aumentando o investimento na agricultura e priorizando a inclusão da agricultura familiar; medidas para adaptar a agricultura à mudança climática, além de obter uma maior transparência e concorrência nos mercados agroalimentares.
  • Essas políticas relacionadas com o sistema alimentar precisam ser complementadas com políticas de redistribuição de renda, tais como a ampliação dos sistemas de proteção social, reformas nos sistemas tributários e o cumprimento da legislação existente nos mercados de trabalho agrícola.
Resumen ejecutivo

Panorama de la Seguridad Alimentaria y Nutricional en América Latina y el Caribe 2011, 952KB

A edição 2011 do Panorama analisa os efeitos do aumento e maior volatilidade dos preços internacionais dos alimentos na região. A combinação destes fatores provoca uma situação que não beneficia nem aos produtores nem aos consumidores.

Os preços altos aumentam os riscos da insegurança alimentar dos países deficitários na balança comercial de alimentos e reduzem o acesso aos alimentos da população mais pobre, a qual gasta uma maior proporção de sua renda em alimentos.

Os elevados preços dos produtos básicos agrícolas constituem também uma oportunidade real de dinamização do comércio intrarregional de alimentos e, particularmente, dos bens não transáveis (feijão, milho branco, quinoa, etc.).

Embora os preços altos costumem incentivar o investimento, a volatilidade observada desde 2007 (a maior volatilidade das últimas duas décadas) tem impedido que isto ocorra.

A velocidade das mudanças tem sido um obstáculo adicional para a resposta dos governos, dos produtores e dos consumidores. O forte aumento dos preços dos alimentos em 2008 deixou milhões de famílias vulneráveis desprotegidas, e muitos governos não puderam reagir a tempo porque não tinham a institucionalidade pública necessária para fortalecer seus programas de proteção social. Por sua vez, os produtores que semearam em 2008 comprando insumos a preços caros, com a expectativa de lucro que lhes permitissem recuperar o investimento no momento da colheita, tiveram preços de venda menores que seus custos de produção na hora de vender.

A partir de junho de 2010, os preços dos alimentos voltaram a subir, e em agosto de 2011 atingiu-se um novo nível de preços dos alimentos, 130 % maior que o registrado, em média, no período 2000-2005. Este novo nível é inclusive 3,1 % maior que o ponto máximo atingido pelos preços em junho de 2008, em plena crise financeira e econômica.

Segundo os prognósticos da FAO e da OCDE, os preços permanecerão altos e voláteis nos próximos anos. Este é o cenário, no qual devemos nos movimentar. A incerteza provocada pela elevada volatilidade dos preços, somada aos baixos graus de concorrência, que prevalecem em muitos dos mercados de alimentos, significa que os altos preços não chegam a boa parte dos produtores agropecuários, particularmente aos agricultores familiares, os quais não podem aproveitar as oportunidades que representam. Contraditoriamente, os altos preços, sim se traspassam, de forma mais direta, aos consumidores. O anterior restringe a capacidade de resposta dos produtores aos preços altos, e aumenta a vulnerabilidade à insegurança alimentar dos mais pobres.

O panorama econômico e financeiro também se mantém imprevisível. Prevalece a incerteza, a qual se manifesta como um maior risco para a segurança alimentar das populações vulneráveis na América Latina e no Caribe, região na qual 52,5 milhões de pessoas sofrem fome, 9 % de sua população total.

Além da conjuntura, o que marca este recente período de crise tem sido a abertura de um amplo debate internacional sobre os próprios fundamentos e os limites estruturais do estilo de desenvolvimento predominante. O que se questiona é o predomínio do mercado sem contrapesos, alimentado por um processo de globalização carente de mecanismos de governança, que tem transformado a desigualdade no estigma da nossa época.

A estas alturas ninguém coloca em dúvida o fato de o crescimento das economias ser necessário para melhorar as condições de vida da população e criar empregos. No entanto, cada vez há maior consenso político e social sobre o fato patente de que esse crescimento é insuficiente em si mesmo, devido as profundas desigualdades na distribuição de renda.

Produto do anterior e das lições derivadas daqueles países que têm conseguido amenizar as conseqüência da crise na segurança alimentar de sua população, é que as sociedades latino-americanas estão demandando um papel mais protagônico do Estado. Pedem um novo balanço entre o mercado, a sociedade e o Estado, no qual este último cumpra com seu papel de regulador e seja mais eficiente na provisão de bens públicos.

FONTE: FAO

Buenos Aires sediará conferência da FAO em 2012

Agência Estado

Buenos Aires será sede da conferência regional da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) no dia 26 de março de 2012. Segundo o diretor-geral eleito da FAO, José Graziano da Silva, a agenda ainda está sendo finalizada, mas há dois temas centrais do encontro: a resposta dos países da região à alta de preços e a crise alimentar e a descentralização da FAO.

“Estamos preparando um documento mostrando o que os países fizeram para enfrentar essa crise, de maneira a compartilhar com os países presentes esses mecanismos efetivos usados na região”, informou em entrevista coletiva à imprensa na capital argentina.

“A FAO está impulsionando uma política de descentralizar e eu espero poder acelerar esse processo e poder implementar efetivamente essa descentralização porque essa é a melhor maneira de atender aos 33 países da região”, disse Graziano. Ele voltou a defender a regulação das commodities agrícolas para controlar os mecanismos financeiros que “passaram a contaminar os preços dos alimentos”. Graziano ressaltou que a volatilidade desse mecanismo não beneficia os consumidores, nem os produtores, porque produz inflação.

“Periodicamente vemos a inflação reaparecendo para beneficiar poucos especuladores internacionais. Creio que devemos abrir mão, um pouco, dessa ideia de total desregulação e estabelecer algumas regras”, afirmou. Ele insistiu na necessidade de aprovar normas para dar transparência às informações sobre estoques e previsões de plantio.

“Temos que trabalhar no sentido de que as commodities agrícolas não sejam tratadas somente como um ativo financeiro e que os países tenham regras que vão determinar, no futuro, como um mecanismo de coordenação para saber em que momento se deverá intervir com estoques reguladores ou não”, detalhou.

“A segurança alimentar se impõe hoje como demandante de uma regulação internacional que não existe”, disse Graziano. Para completar, ele afirmou que uma das prioridades de seu mandato de quatro anos, a partir de janeiro, será o de dar impulso a melhores condições de acesso à produção como uma forma de acabar com a fome no mundo.

FONTE: http://bit.ly/quKJpc

Seguridad Alimentaria es fundamental para la Integración Regional

En el marco de II Foro del Frente Parlamentario contra el Hambre que tuvo lugar en Bogotá, el Parlamentario Andino Óscar Arboleda instó a los Gobiernos, organizaciones internacionales y de la sociedad civil a promover políticas y estrategias “que permitan reducir los niveles de la desnutrición, la inseguridad alimentaria, la pobreza y demás factores que van en detrimento de la calidad de vida de las personas”.

El representante por Colombia ante el Ente Subregional recalcó que la Seguridad Alimentaria está reconocida en diversos instrumentos del Derecho Internacional y debe basarse en cinco componentes fundamentales establecidos por la Oficina regional de la Organización de la Naciones Unidas para la Agricultura y la Alimentación, FAO, para América Latina y el Caribe en el 2005, los cuales son:

Disponibilidad de alimentos a nivel nacional y mundial, el cual hace referencia a garantizar la existencia de suficientes alimentos oportunamente. Acceso a los alimentos, pues los bajos ingresos, la marginalidad y la inequidad evitan el acceso efectivo de los alimentos a determinados segmentos de la población. Uso o aprovechamiento biológico de los alimentos, de tal manera que su manipulación, prácticas de preparación e higiene sea la adecuada y permita obtener el mayor beneficio y aprovechamiento nutricional. Estabilidad en la disponibilidad de los alimentos, pues muchas veces los factores climáticos, las plagas y enfermedades amenazan la producción. La estabilidad también puede verse afectada por los precios de los alimentos y las inestabilidades macroeconómicas por disturbios sociales y políticos. Institucionalidad, que se refiere a las políticas y procesos tendientes al logro efectivo de la Seguridad Alimentaria.

Para el Parlamentario Andino Oscar Arboleda la semilla del desarrollo debe ser una Integración Integral que le garantice a la persona salud, educación, vivienda, derechos sociales y culturales, entre otros. Por esta razón, la Seguridad Alimentaria debe ser un tema preponderante en la agenda internacional.

FONTE: http://bit.ly/mjxutz

Argentina y Cuba intercambian experiencias sobre seguridad alimentaria

Un grupo de expertos cubanos visitaron Argentina el objetivo articular acciones en materia de agricultura urbana que permitan mejorar el desarrollo de proyectos productivos. 
 
Los integrantes del programa Pro-Huerta recibieron la visita de profesionales del Instituto de Investigaciones Fundamentales en Agricultura Tropical (INIFAT) de Cuba, con el objetivo de intercambiar experiencias nacionales de agricultura urbana y seguridad alimentariay profundizar estrategias de intervención en temáticas relacionadas con la producción agroecológica.La estadía de los profesionales cubanos incluyó el recorrido a las provincias de San Juan, Mendoza, Tucumán, Córdoba y Buenos Aires, donde trabajaron en conjunto con los equipos técnicos provinciales, conocieron en terreno el desarrollo del programa en materia de autoproducción de alimentos, educación alimentaria y economía social y participaron de seminarios específicos de capacitación.

Al mismo tiempo, se realizó en General Pico, La Pampa, un taller teórico-práctico sobre elaboración de conservas para el consumo familiar. La iniciativa capacitó a familias que producen en pequeña escala, para un mejor aprovechamiento de los alimentos. Además, se hizo especial hincapié en los cuidados básicos e imprescindibles de temperatura, oxígeno y acidez para la elaboración de conservas.

El programa Pro- Huerta que lleva adelante el Ministerio de Desarrollo Social de la Nación en conjunto con el Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria (INTA), promueve el acceso a una alimentación saludable, variada y equilibrada, mediante la asistencia técnica, capacitación, acompañamiento y provisión de insumos biológicos para la producción de huertas y granjas orgánicas que posibiliten el autoconsumo a nivel familiar, escolar, comunitario e institucional.

 

Agricultura Urbana e Soberania Alimentar

A população de um número cada vez maior de municípios da Região da América Latina e Caribe padece de fome e desnutrição.

Muitos municípios aspiram alcançar sua soberania alimentar, desenvolvendo sua capacidade para produzir alimentos básicos para o povo, assegurando o acesso a uma alimentação segura e saudável com qualidade e quantidade suficiente para a população de baixos recursos, respeitando a diversidade produtiva e cultural.

Geralmente, as políticas de estímulo à produção agrícola e soberania alimentar se encontram dispersas em diversas estruturas administrativas (saúde, educação, assistência social, agricultura, segurança alimentar, etc.) em diferentes níveis de governo (local, federal, nacional).

Sem prescindir das ações em nível federal e/ou nacional; é em nível municipal que podem ser obtidas políticas inovadoras para garantir a produção e a equidade no aceso à alimentação, atendendo a especificidades locais na produção, distribuição e consumo. As políticas municipais de soberania alimentar podem facilitar ações e iniciativas que promovam a igualdade e inclusão social.

As pessoas devem ter o direito de definir suas próprias políticas e estratégias sustentáveis de produção, distribuição e consumo de alimentos que garantam o direito à alimentação, com base na pequena e média produção, respeitando suas próprias culturas e a diversidade…, e nas quais a mulher desempenha um papel fundamental”.

Declaração do Fórum Mundial sobre Soberania Alimentar, Havana, Cuba,  2001.

Obtenha o documento completo!

Ministro vai a Roma defender candidatura de José Graziano para o comando da FAO

Renata Giraldi – Repórter da Agência Brasil

Brasília – A pouco mais de um mês das eleições para o cargo de diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, viajou hoje (18) para Roma, onde pretende defender a candidatura do ex-ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome José Graziano.

Em Roma, Patriota se reunirá com o atual diretor-geral do órgão, Jacques Diouf, e outras autoridades. As eleições ocorrem de 25 de junho a 2 de julho e serão feitas em várias etapas. Os 191 representantes estrangeiros no órgão têm direito a voto. O mandato tem duração de três anos (2012 a 2015).

Além de Graziano, estão na disputa pela direção-geral da FAO cinco candidatos: o ex-chanceler espanhol Miguel Ángel Moratinos; o vice-ministro do Bem-Estar Social da Indonésia, Indroyono Soesilo; o ministro da Agricultura da Áustria, Franz Fischle; o ex-representante do Irã na FAO Mohammed Saeid Noori-Naeini; e o ex-ministro de Recursos Hídricos do Iraque, Abdul Latif Jamal Rashid.

Agrônomo e professor universitário, Graziano foi o encarregado, no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de implantar o Programa Fome Zero. O programa é uma referência internacional de transferência de renda, segurança alimentar e redução da pobreza.

Ao se apresentar em março aos embaixadores estrangeiros que vivem no Brasil, Graziano defendeu que a FAO se reestruture internamente para conseguir tomar decisões mais rápidas e descentralizadas. Ele também disse que é preciso ter como meta a erradicação da fome até 2025.

Edição: Lana Cristina

FONTE: http://bit.ly/m6jG8w

Precios de los alimentos en América Latina y el Caribe

Este informe incluye información del índice precios internacionales de alimentos de FAO de abril 2011, que se mantuvo en los niveles de 230 puntos que presentó en marzo de este año. También en marzo se muestra que los índices de precios al consumidor alimentarios (IPC-A) de los países de ALC, crecen muy poco y al mismo ritmo del índice de precios al consumidor general (IPC) (0,6%); más aún, en el último trimestre los precios de los alimentos crecieron menos que el índice general de precios. También se incluye un análisis de la volatilidad de los grupos de alimentos que componen este índice FAO.

Desde que se publica este boletín de precios se observa que el IPC de ALC se mantiene en 6,6% en tanto que el IPC-A en abril bajó de 9,3% a 7,7% en su medición anual. Se observa entonces que los precios de los alimentos en la región en ALC no han crecido a la misma tasa de los precios internacionales.

El informe sigue presentando información y análisis de precios internacionales de alimentos así como precios regionales y de países, pues como es sabido, los índices sintetizan los movimientos de las partes y es necesario conocer comportamientos específicos de algunos productos para tener una percepción más completa de lo que ocurre con los precios de los alimentos. Por lo tanto, el hecho que se mantenga estable el índice general no es indicio de que los precios se hayan estabilizado.

Veja o informe completo

FONTE: http://bit.ly/mFNv5B

%d blogueiros gostam disto: